Tóquio: teremos os Jogos Olímpicos em julho?

(Leia no PONTO FINAL).

BOM DIA.

Fecha tudo no final de semana. Outra vez. Pelo menos até 7 de fevereiro. Uns acham errado e outros culpam a própria população que não cumpre regras, se infectando e transmitindo a Covid. Todos com razão. Num país endividado, lojas fechando e desemprego aumentando, não faz sentido parar a economia. Mas, como combater a doença se o povo não se conscientiza? Mais gente deve perder o emprego, principalmente em bares e restaurantes, lembrando que o comércio está cansado de ser vilão. Muitos apontam o dedo para o transporte coletivo e, mesmo nas ruas, sobra gente sem máscara, só usando a dita cuja para adentrar aos estabelecimentos comercias. São detalhes para conferir e, naturalmente tomar providências. Um bom dia para você.

O QUE
ELES DIZEM

Foto: reprodução

“JÁ ESTÁ NA HORA DE BOLSONARO E DÓRIA CONVERSAREM E MEDIANTE ACORDO DEIXAREM A BRIGA POLÍTICA PARA 2022”

Michel Temer (O ex-Presidente da República desabafa com amigos e diz que o desentendimento prejudica o país).

OLHO NO OLHO

O Brasil é o país que cumpriu (e cumpre) a mais longa paralisação de aulas presenciais. O dobro de outras nações. Um fato para ser analisado e discutido. Quantas vezes forem anunciadas a volta das aulas, tantas vezes haverá a discussão. Muitos contra e muitos a favor. Mas, o que fazer? Quando voltar? E, o tempo de aprendizado que a criança perde? Com toda certeza, o aluno (a) terá enorme prejuízo e, muitas vezes, esse tempo não se recupera. Enfim, são polêmicas sempre presente, que deixam mães e pais preocupados. O caminho é o diálogo entre educados e responsáveis, buscando uma saída. A pandemia não tem data para ir embora e, os efeitos da vacina vão demorar. Esperar quanto tempo?

PONTO FINAL

Jogos Olímpicos: um acontecimento consagrado mundialmente, momento dos super atletas se apresentarem e buscarem seus sonhos. Realizado a cada quatro anos, pular uma etapa, significa prejuízo enorme (em todos os sentidos), principalmente para o atleta que muitas vezes vê sua idade inviabilizar o futuro. Os Jogos Olímpicos de 2020 foram adiados por causa da pandemia (Covid-19) e, transferidos para 2021, a partir de 23 de julho, para muitos, corre o risco de novamente ser adiado ou até ser cancelado. O governo do Japão bem como o Comitê Olímpico Internacional, não admitem essa possibilidade e condenaram com energia a informação dada pelo jornal “The Times”, que apontou como fonte, um importante integrante do Comitê Olímpico de Tóquio. Pesquisa no Japão, diz que a população, em sua grande maioria, 80%, não aprova o evento. Porém, depois de se investir bilhões de dólares para 2020, tudo foi reprogramado para 2021, atendendo interesses empresariais e comerciais. Como fica o gasto assumido por investidores em obras e infraestrutura? Contudo, o pior, é que enquanto não surge o cancelamento (que as autoridades juram que não vai acontecer), os atletas mostram-se preocupados, pois precisam se preparar, treinar, manter a capacidade técnica e física numa época atípica. Para os dirigentes, existe o lado emocional, pois a angustia toma conta de todos. Autoridades esportivas no Japão já anunciam várias medidas, por exemplo, a obrigatoriedade de todas as delegações, de todos os países, se apresentarem em Tóquio com 12 dias de antecedência para quarentena obrigatória. A grande maioria dos atletas ficarão em quartos individuais ou no máximo dois em cada quarto, mantendo-se o distanciamento recomendado. No Brasil, o Comitê Olímpico acompanha tudo de perto, garantindo que os atletas brasileiros terão toda a segurança, tranquilidade, enfim, o suporte necessário. Delegação brasileira deverá viajar para Tóquio com 270 a 300 integrantes. Também cumpre o COB, todos os protocolos exigidos pelo governo japonês, tendo inclusive formalizado um acordo diferenciado com a Fiocruz (Instituto Osvaldo Cruz) para testes rotineiros e especiais.

VOLTO AMANHÃ.

ATÉ LÁ.

Compartilhe este post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *